Caio Castro é condenado por agredir fotógrafo em Trancoso

Ator, que admitiu ataque, terá que pagar indenização de R$ 7 mil

Do Correio*
Publicado em 25/01/2019 às 15h12
Foto: Reprodução  
Caio Castro deu uma cabeçada em André Ligeiro por não querer ser fotografado

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE
PORTO SEGURO - O ator Caio Castro foi condenado a pagar R$ 7 mil de indenização ao fotógrafo André Ligeiro, que o processou após ter sido agredido em uma festa no Réveillon de 2017, em Trancoso, localidade de Porto Seguro. 

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão foi publicada no Diário Oficial de São Paulo de quinta-feira (24). A assessoria do ator informou que ele vai se pronunciar em breve sobre o caso. O fotógrafo, que ficou com um ferimento no olho após levar uma cabeçada, também não comentou o assunto. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Ao entrar na Justiça contra o ator global, André Ligeiro pediu, inicialmente, uma indenização de R$ 100.000, alegando danos morais. 

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
Na época, Caio Castro chegou a admitir que ficou nervoso e perdeu a razão ao agredir o profissional. Em uma transmissão numa rede social, o ator afirmou que não estava tentando justificar o episódio, mas queria explicar com as próprias palavras o que tinha acontecido. 

Na gravação, ele contou que havia ido para Trancoso a convite de uma empresa. Na segunda noite, o dono dessa empresa, um amigo dele, o chamou para ir a um evento de uma concorrente. Para evitar qualquer problema entre as marcas, o ator pediu que a assessoria de imprensa da empresa combinasse com os fotógrafos que ninguém registrasse sua presença naquele evento. Foi quando Ligeiro surgiu, de repente, com a máquina. 

“Deu um minuto, veio um rapaz, levantou a máquina fotográfica dele. Eu olhei para a assessora para saber o que tinha acontecido, e o fotógrafo foi embora correndo. A minha reação foi de ir atrás para pelo menos falar que tínhamos combinado não fazer foto”, contou o ator. 

“Eu já estava nervoso, quando eu segurei. Aí veio um segurança me puxando. Naquele puxa-puxa, eu perdi a cabeça, perdi a razão, e aconteceu o que aconteceu. Agora, talvez ele não tenha culpa de nada. Eu estou totalmente errado. Não estou aqui para justificar meu erro. Violência não leva a lugar nenhum”, declarou.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018