Mídias sociais elevam depressão entre meninas, diz pesquisa

Ativistas pediram ao governo britânico que reconheça o risco de páginas como Facebook

Agência Brasil
Publicado em 09/01/2019 às 10h38
Foto: Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil 
Uso excessivo de redes sociais pode causar depressão, conclui estudo divulgado em Londres

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE
BRASIL - Meninas adolescentes são duas vezes mais propensas que os meninos a apresentar sintomas de depressão em conexão ao uso das redes sociais, segundo estudo do University College London (UCL) divulgado em Londres. Ativistas pediram ao governo britânico que reconheça o risco de páginas como Facebook, Twitter e Instagram para a saúde mental dos jovens.

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma em cada quatro meninas analisadas apresentou sinais clinicamente relevantes de depressão, enquanto o mesmo ocorreu com apenas 11% dos garotos, segundo o estudo. Os pesquisadores constaram que a taxa de depressão mais elevada é devido ao assédio online, ao sono precário e a baixa autoestima, acentuada pelo tempo nas mídias sociais.

O estudo analisou dados de quase 11 mil jovens no Reino Unido. Os pesquisadores descobriram que garotas de 14 anos representam o agrupamento de usuários mais incisivos das mídias sociais – dois quintos delas as usam por mais de três horas diárias, em comparação com um quinto dos garotos.

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
Cerca de três quartos das garotas de 14 anos que sofrem de depressão também têm baixa autoestima, estão insatisfeitas com sua aparência e dormem sete horas ou menos por noite.

"Aparentemente, as meninas enfrentam mais obstáculos com esses aspectos de suas vidas do que os meninos, em alguns casos consideravelmente", disse a professora do Instituto de Epidemiologia e Cuidados da Saúde do University College London, Yvonne Kelly, que liderou a equipe responsável pela pesquisa.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018