Moradores convivem com esgoto e animais peçonhentos em Eunápolis

Comunidade denuncia descaso da administração municipal

Redação RADAR 64
Publicado em 13/03/2018 às 09h37

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

EUNÁPOLIS - Há mais de 35 anos morando no final da Rua Pau-Brasil, no bairro Pequi, em Eunápolis, Washington Bahia conta que ainda lembra quando era possível aproveitar a água de uma nascente que tem no local. Hoje a área está tomada pela sujeira e o esgoto corre a céu aberto.

Ele e um grupo de moradores da rua buscaram a reportagem do RADAR 64 para denunciar o que chamam de descaso do poder público. “Queremos que a atual gestão olhe mais para cá. Tá tomado de mato”, desabafa Washington.

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
A dona-de-casa Adriana Pena, moradora da última casa da rua, conta que levou um susto na última semana, quando voltou do supermercado com o filho menor, de pouco mais de um ano. “Meus outros filhos encontraram uma cobra”, contou ela.

A casa onde Adriana mora com o marido e os quatro filhos está cercada de mato. Ela disse que já cansou de solicitar a limpeza da área à prefeitura. “É cobra, é barata, é rato, é aranha, e aranha das grandes. Já entramos em contato com a prefeitura, já mandamos vídeo e nada. As vezes meu marido e o vizinho limpam”, relata ela.

Foto: Gustavo Moreira / RADAR 64
Crianças e adolescentes convivem com esgoto à céu aberto, cobras, aranhas e outros animais

Além da limpeza das ruas, os moradores solicitam cerca de 100 metros de manilha para colocar em um local onde o esgoto corre a céu aberto. “O que eu peço é a limpeza da Rua Recanto, do final da Rua Pau-brasil, da Belmonte, da Santa Terezinha e da Dom Pedro I. Tá intransitável”, denuncia o aposentado Dionei Correia, que mora há mais de 30 anos no bairro.

Na Rua Recanto, uma das principais reivindicações dos moradores também é a limpeza. “Era uma rua transitável para pedestres e veículos pequenos (motos e bicicletas) e hoje não tem condições de passar nem a pé”, constata Washington.

A idosa Vilma Souza, 63 anos, que já mora no final da Rua Pau-Brasil há 30 anos, conta que, em dias de chuva, se os próprios moradores não limparem a vala por onde corre o esgoto, a água invade as casas. “Se não limpar bem limpinho, a água corre dentro da casa da gente. Eles (a prefeitura) não limpam. Só vêm limpar com a enxadinha quando é ocasião de política”, desabafa ela.

Tentamos entrar em contato com a Secretaria Municipal de Infraestrutura, mas não obtivemos retorno.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018