Ministério Público do Trabalho investiga situação em que trabalhava funcionário da Embasa

Em nota, empresa diz que procedimento está em desacordo com os métodos operacionais exigidos

Redação RADAR 64
Publicado em 15/05/2018 às 15h56
Foto: Reprodução / Facebook 
Funcionário da Embasa mergulha em água pra conter vazamento

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

EUNÁPOLIS - A procuradora do Ministério Público do Trabalho em Eunápolis [MPT], Geisekelly Marques, informou ao RADAR 64, nesta terça-feira (16), que após a formulação de uma denúncia abriu procedimento para investigar a situação em que trabalhava um funcionário da Embasa, na última sexta-feira (11), na Rua do Mucugê, em Arraial d’Ajuda, distrito Porto Seguro.

Para tentar conter um vazamento de água em uma adutora, o funcionário mergulhou completamente em uma poça de quase um metro de profundidade. A situação foi filmada por turistas e moradores que passavam pelo local. O vídeo foi veiculado pelo RADAR 64 e obteve mais de 92 mil visualizações. “Já é aparente que há uma irregularidade, mas o fato será apurado e podem ser descobertas outras irregularidades”, destacou a procuradora ao ver a filmagem.

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
Geisekelly afirmou que o MPT foi notificado na segunda-feira (14) e que será instaurado um procedimento investigatório para verificar a situação e, de acordo com o que foi apurado, será instaurado um inquérito e serão tomadas as medidas cabíveis contra a empresa.

POSIÇÃO DA EMBASA - Em um comunicado enviado ao RADAR 64 na segunda-feira (14), a Embasa informou que “o procedimento para correção de vazamento, adotado por equipe de empresa contratada está em desacordo com os métodos operacionais exigidos e com as normas de segurança no âmbito dos serviços de engenharia da Embasa”.

A nota ressalta ainda que a Embasa iniciou um processo de apuração e investigação das responsabilidades neste caso de descumprimento das medidas de segurança exigidas em intervenções na área operacional, “para que as sanções cabíveis sejam aplicadas e isso não volte a ocorrer”.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018