Ninho de pica-pau-dourado-grande é registrado pela primeira vez

Ameaçada de extinção, ave é uma das espécies menos conhecidas do Brasil

Por Giulia Bucheroni, Terra da Gente
Publicado em 20/12/2018 às 23h56
Foto: Jailson Souza 
Registro raro: casal de pica-pau-dourado foi flagrado no ninho

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE
PORTO SEGURO - A poucos dias de terminar o ano, o fotógrafo de natureza Jailson Souza garante: 2018 foi cheio de conquistas no quesito passarinhada, na região de Porto Seguro.

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após registrar o ninho de harpia em meados de abril, o guia terminou a temporada de observação com “chave de ouro” ao flagrar o pica-pau-dourado-grande, um dos pica-paus mais ameaçados de extinção do Brasil.

“2018 foi um ano de muitas conquistas, primeiro pelo encontro com o ninho da harpia e agora com o ninho do pica-pau”, conta Jailson, que destaca também o registro do crejoá, uma das aves mais belas do Brasil, que está ameaçada de extinção.

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
Além da raridade em encontrar o pica-pau-dourado, Jailson fez os primeiros registros do ninho da espécie, até então nunca fotografado. O flagrante foi feito na Reserva Particular do Patrimônio Natural Estação Veracel, em Porto Seguro, junto com Priscilla Sales Gomes, analista ambiental da reserva.

A bióloga conta que o casal de pica-paus se apropriou de um cupinzeiro e que, provavelmente, já está com os ovos no ninho. "Até então não tínhamos informações sobre a espécie, comportamento e hábitos. Os registros vão abrir portas para novas descobertas", diz Priscilla.

DESCOBERTAS

O ornitólogo Luciano Lima chama atenção para a escolha de cupinzeiros ou formigueiros como base para o ninho. "É interessante porque, mesmo sendo um pica-pau que habita área de floresta, ou seja, que tem muita madeira disponível, a espécie continua fazendo ninho em cavidades como essa. É uma característica muito interessante que difere dos ninhos escavados em tronco", diz o ornitólogo, que encontra no registro um indício da origem da ave.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018