Passageiros reclamam de cobrança de passagem extra quando estão com mercadorias

Empresa confirma que autoriza a cobrança quando há excesso de sacolas

Redação RADAR 64
Publicado em 10/09/2018 às 15h58
Foto: Eriques Damasceno / Onibus Brasil 
Empresa GWG explora serviço de transporte público em Eunápolis

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

EUNÁPOLIS - Uma usuária do transporte urbano de Eunápolis procurou a reportagem do RADAR 64 para denunciar a cobrança de passagem extra das pessoas que carregam mais de duas sacolas com compras nos ônibus da empresa Viação GWG.

Moradora do bairro Parque da Renovação, ela afirma que os mais prejudicados são os usuários que costumam fazer a feira em um supermercado na BR-367, a quase sete quilômetros de distância. “Na volta, somos obrigados a pagar uma passagem a mais para transportar as mercadorias”, afirma.

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
Ela lamenta que, na maioria das vezes, são pessoas carentes, que vão ao supermercado somente com o valor de uma passagem. “Outro dia, os passageiros se juntarem para pagar a passagem extra para uma senhora que estava sendo impedida de entrar no ônibus porque estava com sacolas”, diz.

O gerente da Viação GWG, Lucivaldo Soares, confirmou ao RADAR 64 que a orientação da empresa é cobrar uma passagem extra quando há excesso de bagagem dos passageiros. “Tem dono de mercadinho indo fazer compras e transportando caixas de mercadorias dentro dos ônibus. Nestes casos, inclusive, a nossa orientação é não autorizar a entrada no veículo”, declara.

Lucivaldo explicou que dependendo da quantidade de mercadorias transportadas, o passageiro acaba ocupando uma segunda cadeira no ônibus, mesmo que as sacolas sejam colocadas no chão. “Quando as sacolas ocupam muito espaço, nossa orientação é que seja cobrada uma passagem extra, porque atrapalha os outros usuários. Inclusive, já tivemos reclamações em relação a isso”, observou.

O chefe de Gabinete da prefeitura de Eunápolis, Alécio Vian, informou ao RADAR 64 que foi surpreendido pela informação. “Essa situação não era do nosso conhecimento. Teremos que avaliar o contrato de concessão de forma mais detalhada para passar qualquer tipo de informação”, frisa Alécio. 

WhatsApp do RADAR 64: (73) 98844-0216.
Adicione nosso número e envie vídeo, foto ou apenas o seu relato. Dica importante: grave ou fotografe sempre com o celular na horizontal (deitado). Sua sugestão será apurada por um repórter. Participe!

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018