UFSB é pioneira em cotas para transexuais e travestis

Sistema é válido pra todos cursos de graduação nas três unidades da instituição

A Tarde
Publicado em 10/03/2018 às 11h42
Foto: A Tarde  
Reitora em exercício, Joana Angélica Guimarães

TEXTO SEGUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

PORTO SEGURO - A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) decidiu inovar e criar cotas para homens ou mulheres transexuais, travesti ou transgênero, no próximo semestre, o primeiro de 2018. O sistema de reserva de vagas, inédito na Bahia, é válido para todos os cursos de graduação nas três unidades da instituição.

“Ao fazer isso esperamos que mais e mais pessoas incluídas nessas categorias possam buscar o espaço da universidade que também lhes pertence” declarou a reitora em exercício, Joana Angélica Guimarães.

TEXTO SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO
O presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB), Marcelo Cerqueira comemorou: “É uma ideia avançada que estrutura a vida da comunidade, toda mobilidade só é possível pela educação”.

Algumas universidades brasileiras adotavam o sistema de cotas para transexuais, travesti e transgênero apenas para cursos de doutorado e mestrado.

Os cursos oferecidos pela universidade é para direito, biologia, engenharia florestal, medicina, psicologia e história, além dos obrigatórios cursos interdisciplinares. “Serão disponibilizadas oito vagas para cada um dos grupos citados”, disse a reitora.

Para Cerqueira, o sistema de cotas também funciona como um incentivo à comunidade LGBT. “É uma contribuição enorme para a qualificação de pessoas que, muitas vezes, por sofrer discriminação no ambiente escolar, não rompem nem a barreira do ensino médio, por exemplo”. Ele ainda explica que a evasão escolar da comunidade ainda é muito grande, por diversos motivos.

“Em alguns casos, mesmo sofrendo preconceito, gays e lésbicas conseguem concluir os estudos. Mas, por outro lado, os trans ficam em maior evidência por causa da transformação corporal”.

Interessados em concorrer às vagas reservadas devem se declarar transexual, travesti ou transgênero devem ter concluído o Ensino Médio na rede pública de ensino.

“No próprio edital já há um modelo de declaração que deverá ser preenchido pelo candidato”, explicou a reitora.

Para evitar fraudes, a universidade criou uma comissão para analisar o sistema de auto declaração, que também é responsável por garantir reserva de vagas para pretos e pardos.

A Universidade Federal do Sul da Bahia tem campi localizados do sul do estado, em municípios como Porto Seguro, Itabuna e Teixeira de Freitas.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018