Alta no comércio eletrônico incentiva criação de curso superior

Centro Universitário Internacional Uninter lança curso a distância de Varejo Digital

Pg1 Comunicação
Publicado em 20/02/2019 às 17h29

Enquanto o varejo tradicional se recupera lentamente da crise econômica de 2015, o varejo digital cresce a uma velocidade estonteante. Em 2018, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 53,4 bilhões, alta de 12% em relação ao ano anterior, segundo estimativas da Ebit Nielsen.

Com o objetivo de formar profissionais capacitados para a nova realidade comercial, o Centro Universitário Internacional Uninter lança o curso a distância de Varejo Digital.

Com duração de dois anos, a graduação capacita gestores e consultores. “Um novo perfil de profissional se faz necessário para atuar na compreensão e desenvolvimento das jornadas de compras digitais”, explica Mariana Monfort, professora e coordenadora do curso.

A formação é ofertada na modalidade a distância para todo o País. As aulas são disponibilizadas no Ambiente Virtual de Aprendizado, que também é um espaço para tirar dúvidas e interagir com professores e colegas. Os estudantes recebem material didático completo e contam com a estrutura do polo de apoio presencial da Uninter mais próximo de sua casa.

Varejo Digital no Brasil

Além da alta no faturamento, o comércio eletrônico no Brasil tem uma particularidade. Os brasileiros pesquisam e comparam pelo celular mais do que a média mundial, mesmo que não efetivem a compra por meios digitais, segundo o estudo PwC Total Retail 2017.

Essa jornada de compras é uma das áreas de atuação dos profissionais de Varejo Digital. “Mesmo que não comercializem produtos e serviços pela internet, as empresas precisam considerar sua presença digital. Há uma noção geral de que ‘se não está na internet, não existe’. Ter um endereço eletrônico tornou-se sinônimo de segurança”, pontua Mariana.

Logo, os profissionais de varejo digital são capazes de analisar o comportamento dos consumidores e traçar estratégias multicanais. Isso significa que consideram a interação entre lojas físicas e diversas ferramentas digitais. “Por exemplo, você decide ir a um restaurante, faz o pedido via aplicativo e, ao chegar no local, já tem sua mesa reservada e a refeição pronta. Essa é uma jornada de compras bem-sucedida, pois é cômoda e prática”, ilustra.

Usar a conectividade para melhorar a experiência de compra de produtos e serviços no varejo é o lema dessa nova profissão, resume a professora.

SIGA O RADAR 64

RADAR 64© - Todos os direitos reservados 2007 - 2018